MARA FATURI

17/01/2008


TODA PROSA

O poema fez ferrolho
no meu olho
quis me castigar
pensou que eu tinha saído
pra brincar de esconde-esconde

poema ciumento
desconfiado,
agora
vou deixá-lo de castigo,
vou cantar cantiga de roda
com a vizinha (toda) prosa.


Mara Faturi

11/01/2008
BIOGRAFETAS
WESLEY COLL, de Nova Iorque

J.FLASH


O traço a mão livre
e a mãe imaginária
a fantasia ultrapassa
a realidade sem graça
O Flash que lampeja
não deixa marca no pavimento
Da promessa de gênio
ao roubo da bilheteria
tudo se esvai como lágrima
o choro no temporal
O enigma se curva e cobre
sua face com a cauda
Outra palavra infinita
e a aparição se recolhe




AS MULHERES DO MILTON

Lindas, esquálidas, andróginas
Emergem da pagina pálidas
como lua em tarde nublada
em silêncio singrando a retina
A nuance, o cigarro e a volúpia
Art Noveau, Beardsley e Mucha



o langor dos cabarés, anos 20
Bessie, Billie e os blues do Louis
Mas o mundo escurece depressa
o amor dos homens é discreto
o êxtase se vai e o que fica
é o esplendor das mulheres criadas




RICARDO MAINIERI

04/01/2008

BUQUÊ DE METÁFORAS
para Lau Siqueira e seu livro Texto Sentido


Poesia
invade a manhã
com um buquê
de metáforas.

Signos ígneos
suspensos no fio
acrobáticos.

Emoção a nocaute.

Decreto black-out
à mediocridade.

Infeliz companheira
& sua prole.

PROSPECÇÃO


Algo em mim
não se dissolve
veloz
sólido fica.

Algo é pétreo
sem lapidação.

Coisa
que não se integra
inútil a entrega.

Algo troglodita
disfarçado
em homo sapiens…

Ricardo Mainieri